Manual de Prevenção ao Suicídio - RS

16/08/2011 04:47

Rio Grande do Sul lança manual de prevenção ao suicídio

Abrindo as atividades, foi realizado, no último dia 29 de julho, um debate sobre o Manual de prevenção ao suicídio do RS, tendo como debatedor, o presidente da ABP,  Antônio Geraldo da Silva. O objetivo foi orientar como as equipes devem proceder e o que deve ser feito para evitar o suicídio, mostrando a dimensão do problema e auxiliando as pessoas sob risco, a fim de contribuir para amenizar o alto índice registrado no Rio Grande do Sul.

O debate foi destinado às equipes de saúde da família e saúde mental, emergências e ambulatórios, brigada militar, bombeiros, assistentes sociais, professores e extensionistas da Emater, além da imprensa que, frequentemente, precisa lidar com o assunto. O manual disponibiliza informações úteis sobre como se deve noticiar um suicídio. Após o debate, foi feita uma explanação dos serviços de atendimento aos doentes mentais do Sistema de Saúde Mãe de Deus (SSMD) pelo médico Rogério Pires, superintendente de Saúde Pública Corporativa do SSMD.

Porto Alegre está entre as três capitais com maior incidência de suicídio, superando  Curitiba (PR) e Boa Vista (RR), colocadas em segundo e terceiros lugares respectivamente. Segundo Ricardo Nogueira, o Estado do Rio Grande do Sul possui o maior número proporcional de pessoas que cometeram suicídio. Entre os 20 municípios no país com as maiores incidências de suicídio, 13 estão no Rio Grande do Sul. “Por esta razão, elaboramos o “Manual de prevenção ao suicídio”, onde constam dados de quatro cidades gaúchas: Santa Cruz do Sul, Candelária, São Lourenço do Sul e Venâncio Aires”.

De acordo com o médico, o trabalho iniciou através da sensibilização das autoridades e, em seguida, ocorreu o processo de capacitação e treinamento de pessoal para detectar o problema e a melhor forma de atuação. Por fim, foram pesquisados prontuários de 186 pacientes que foram a óbito por suicídio. “As pessoas crêem que o sofrimento irá acabar” analisa o psiquiatra Ricardo Nogueira. Para ele, o suicídio “é um problema multifatorial, que envolve principalmente a origem genética, além de questões sociais, culturais e econômicas”. A próxima etapa do projeto será levantar dados dos outros nove municípios gaúchos que ainda não foram analisados.

Ricardo Nogueira disse ainda que foi constatado o aumento de casos de suicídio nos meses de dezembro e janeiro, principalmente entre a faixa etária de 15 e 19 anos. Segundo levantamento, de cada 100 pessoas que pensam em tirar a própria vida, 17 planejam o ato e uma delas cometerá o suicídio. “Entre os principais fatores de causa estão a depressão, o uso abusivo de álcool e a esquizofrenia”.

O projeto de combate ao suicídio do Rio Grande do Sul é realizado pelo médico psiquiatra Ricardo Nogueira, coordenador do Centro de Promoção da Vida e Prevenção do Suicídio do SSMD, pelo sociólogo Paulo Henrique Almeida Rodrigues e a psicóloga Eliane Carnot, além de professores do mestrado de saúde da família da Universidade Estácio de Sá do Rio de Janeiro.